Páginas

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Twilight: Pesquisa sobre Vampiros - 1x43


Eu sentei, minha cabeça rodou um pouco enquanto o sangue descia. Primeiras coisas primeiro, eu pensei comigo mesma, feliz por adiar aquelas coisas pelo máximo de tempo possível. Eu levei minha bolsa para o banheiro.
  O banho, porém, não demorou tanto quanto eu esperava. Mesmo demorando para secar meu cabelo, eu logo estava sem coisas pra fazer no banheiro. Eu me enrolei numa toalha e fui para o meu quarto. Eu não sabia se Charlie ainda estava dormindo ou se já havia saído. Eu fui olhar pela janela, a viatura não estava mais lá.
  Pescaria de novo.
  Eu me vestí lentamente com o meu sweater mais confortável e então arrumei minha cama- algo que eu nunca fiz. Eu não podia mais adiar. Eu fui para a minha mesa e liguei meu velho computador.
  Eu odiava usar a Internet aqui. Meu modem era tristemente ultrapassado, meu serviço grátis era inferior; só a conexão demorou tanto que eu decidi ir buscar um tigela de cereal para mim enquanto eu esperava.
  Eu comi vagarosamente, mastigando cada pedaço cuidadosamente. Quando eu terminei, eu lavei a tigela e a colher, sequei os dois e guardei. Meus pés se arrastavam enquanto eu subia pela escada. Eu fui até o meu CD player primeiro, pegando ele do chão e colocando-o precisamente no centro da mesa. Eu tirei os fones, e então os guardei na gaveta da mesa. Então eu liguei o Cd, colocando nas músicas mais barulhentas.
  Com outro suspiro, eu me virei para o computador. Naturalmente a tela estava lotada de pop-ups. Eu sentei na minha cadeira e comecei a fechar todas as janelinhas.
  Eventualmente eu conseguí entar no meu site de buscas favorito. Eu fechei mais alguns pop-ups e digitei uma só palavra.
  Vampiro.
  Levou um tempo enlouquecedor, é claro. Quando os resultados apareceram, havia muito o que peneirar -tudo de filmes e programas de Tv á jogos de Vídeo-game, bandas de metal, e companias de cosméticos góticas.
  Então eu achei um site que parecia promissor - Vampiros de A á Z.
  Eu esperei pacientemente até que ele baixasse, clicando rapidamente em todas as janelinhas que apareciam na tela. Finalmente a tela estava completa - um fundo branco simples com letras pretas, com escrita acadêmica. Duas frases me saudaram na página inicial: Pelo vasto mundo obscuro dos fantasmas e demônios não existe figura tão terrível, nenhuma figura tão horripilante e detestável, mesmo assim causadora de tal fascinação, como o vampiro, que é nem fantasma nem demônio, mas ainda assim, divide a natureza obscura e possue as terríveis e misteriosas qualidades de ambos.- Reverendo Montague Sommers.
  Se existe no mundo uma coisa tão bem-atestada, essa coisa são os vampiros. Provas não faltam - entrevistas oficiais, testemunhos de pessoas conhecidas, de cirurgiões, de padres, de magistrados; as provas judiciais são mais completas. E com
tudo isso, quem é que não acredita em vampiros?- Rousseau
  O resto do site era uma lista em ordem alfabética dos diferentes mitos envolvendo vampiros ao redor do mundo. O primeiro no qual eu cliquei, o Danag, era um vampiro das Filipinas supostamente responsável por trazer o tarô para as ilhas há muito tempo atrás. O mito ainda contava que Danag trabalhou com os humanos durante muitos anos,mas a parceria acabou quando uma mulher cortou o seu dedo e o Danag sugou toda a sua vitalidade, gostando tanto do sabor do seu sangue que acabou drenando totalmente o sangue do seu corpo.
  Eu li cuidadosamente todas as descrições, procurando por alguma coisa que me parecesse familiar, pra não dizer plausível. Parecia que a maioria das histórias de vampiros possuiam lindas mulheres como demônios e crianças como vítimas; eles
pareciam querer criar histórias para explicar os altos índices de mortalidade entre as crianças,e criar para os homens uma boa desculpa para serem infiéis.
  Muitas das histórias envolviam espíritos desencarnados e avisos sobre enterros impróprios.
  Nada se parecia muito com o que eu via nos filmes, só alguns poucos, como o Hebreu Estrie e o polonês Upier, que ocasionalmente estavam ocupados bebendo sangue.
  Só três links me chamaram a atenção: O romênio Varacolaci, um morto-vivo poderoso, que podia aparecer como um humano lindo, com a pele pálida; o Eslovaco Nelapsi, uma criatura tão forte e veloz que pode um vilarejo inteiro em apenas uma hora depois da meia-noite; e um outro,o Stregoni benefici. Sobre esse havia penas uma breve frase.
  Stregoni benefici: Um vampiro italiano, destinado a ser do lado do bem, e inimigo mortal dos vampiros maus.
  Era um alivio, aquele link, o único mito que aclamava a existência de vampiros do bem.
  No geral,porém, havia pouco que coincidisse com as histórias de Jacob ou com as minhas próprias observações. Eu fiz um pequeno catálogo na minha mente enquanto eu lia e cuidadosamente comparava cada mito. Velocidade, força, beleza, pele pálida, olhos que mudam de cor. E então o critério de Jacob: bebedores de sangue, inimigos dos lobisomens, peles frias e imortais.
  Haviam muito poucos mitos que se encaixavam em cada fator.

Escrito por: Stephenie Meyer

Sem comentários:

Enviar um comentário